Primavera
Início:22/09 Fim:21/12
primavera3.png
EPAGRI/CIRAM
EPAGRI CIRAM FAPESC

Introdução

Coordenadores:
Dr. Hamilton Justino Vieira (Epagri-Ciram)
Prof. Aparecido Lima da Silva (UFSC)
Eng. Agr. Luiz Fernando G. de Souza (Epagri -Mafra)
Eng. Agr. Gilberto Gava (Cidasc -Mafra)
Eng. Agro. Denílson Coelho (Sebrae-Fpolis)

O Planalto Norte, com abrangência nos municípios de Mafra, Papanduva, Itaiópolis, Monte Castelo, Campo Alegre, São Bento do Sul, Rio Negrinho, Canoinhas, Irineópolis, Três Barras, Major Vieira, Bela Vista do Toldo, Porto União, é uma grande região onde por muito tempo o extrativismo da madeira e do erva mate foram priorizados, seguidos das culturas do milho e feijão, com poucas iniciativas agroindustriais trazendo a inexpressiva agregação de valor aos produtos regionais da agricultura familiar. Em 2002 a região, objetivando implementar, técnica e administrativamente os projetos de interesse e priorizados pela região, realizaram sucessivos Painéis Temáticos, com a participação de várias instituições, como: DAR-PLAN, CEREAGRO, PREFEITURAS MUNICIPAIS, ARCO-CONTESTADO, GRUPO AMBIENTAL, CAMFOREIRA, SINDICATOS, EPAGRI entre outros, que expuseram sobre diversos temas e setores a serem alavancados como prioridade, dos quais a Agregação de Valor e Renda foi a prioridade, nos setores e áreas da agroindústria, olericultura e fruticultura.

A Fruticultura, um segmento economicamente viável à agricultura familiar da região, porém com exigências à área produtiva de padrões de qualidade altíssimos, torna-se necessário, prioritariamente, a boa capacitação dos técnicos e produtores, organização do setor e desenvolvimento da cadeia produtiva, além de infra-estrutura de apoio tecnológico.

Os 243 pequenos agricultores, fruticultores, do Planalto Norte com produção atual (2007) de 1.650, 935 e 250 toneladas de frutas de maçã, pêra e caqui, respectivamente, deverão apostar fortemente na conquista do mercado “nacional e internacional” com frutas de qualidade e, principalmente, direcionar seus esforços para atividades que possibilitem maior agregação de valor e de renda. Com este projeto a informação gerada e coletada subsidiará o agricultor e toda a cadeia produtiva na conquista segura dos mercados consumidores de frutas que estão muito atentos ao fator qualidade.

Sabe-se atualmente que não basta apresentar uma fruta com boa aparência, Hoje, o consumidor exige produtos saudáveis, seguros e que tenham produção dentro de um sistema sustentável, como a chamada agricultura limpa, do mercado justo (Fair Trade), do Slow Food, com conceitos produtivos e organizacionais da pequena agricultura familiar, e a partir de certificações de um produto com garantia e identidade. A certificação como aval de processos produtivos com controle, PIF, EUREP_gap, ORGANICO já são uma condição à manutenção de mercados consumidores com agregação de valor. Neste sentido vale salientar ainda que o mercado mundial, além da qualidade externa das frutas, passou a exigir controle e registro sobre todo o sistema de produção, incluindo análise de resíduos de agrotóxicos e estudos sobre impacto ambiental da atividade, ou seja, é necessário que se tenha rastreabilidade de toda a cadeia produtiva (Sansavini, 2002; Fachinello, 2003), assegurando ao consumidor transparência do processo produtivo.

A Implantação de equipamentos meteorológicos que são fundamentais para a coleta e a difusão dos dados agrometeorológicos da região, é uma das metas inovadoras deste projeto que visa implementar uma densa rede de medição termo-pluviométrica no Planalto Norte de Santa Catarina, dotando a região com uma potente rede de geração de conhecimentos locais, que subsidiarão a qualificação das decisões de desenvolvimento pelos técnicos de fruticultura, agricultores, administradores e políticos.

E para o uso da informação no desenvolvimento sustentável da agricultura familiar, o projeto tem como meta a capacitação de produtores, técnicos, gestores e atores da cadeia produtiva da fruticultura, em processos de rastreabilidade, certificação, qualidade e produtos, nos desenvolvimentos tecnológicos, e validações a campo, para reconhecimento do território Norte catarinense na excelência produtiva, organizacional e mercado de frutas no Brasil.