Previsão Climática Trimestral para Santa Catarina

Dezembro de 2020, Janeiro e Fevereiro de 2021

Verão com retorno da chuva e calor típico em SC

Início do Verão: 21/12 às 07h02min..

Precipitação:

A previsão é otimista para o trimestre com indicativo de retorno da chuva a SC, próxima a média em dezembro e acima da média nos meses de janeiro e fevereiro. O indicativo de chuva acima da média é maior para o Litoral.

Destaque no verão é frequente a incidência de temporais com granizo e ventania em SC, por vezes com acumulados significativos de chuva em curto intervalo de tempo. Por isso, a Epagri/Ciram recomenda o acompanhamento diário dos boletins e informações disponibilizados no site.

Climatologia (o que se espera para época do ano):

Em dezembro a média mensal é de 130 a 150 mm no Meio Oeste, Planalto Sul e Litoral Sul, de 150 a 190 mm no Oeste, Planalto Norte, Litoral Norte e Grande Florianópolis, ressaltando-se que a segunda quinzena de dezembro é mais chuvosa em relação à primeira. Em janeiro e fevereiro a média a mensal é de 150 a 190 mm do Oeste ao Planalto e no litoral Sul, com média chegando a 200 e 230 mm na Grande Florianópolis e Litoral Norte.

Boa parte da chuva do trimestre está associada à convecção devido ao calor da tarde e noite, em forme de pancadas passageiras, típicas de verão.

A chuva mais significativa no trimestre em SC, normalmente ocorrem devido à passagem de frentes frias pelo litoral e, episódios de chuva mais intensa, associados a influência dos Sistemas Convectivos de Mesoescala (SCM), sobretudo no Oeste e Meio Oeste.

Temperatura:

A previsão é de temperatura próxima a média climatológica em SC, calor típico da estação. Em dezembro, ainda podem ocorrer episódios isolados com temperatura mais baixa na madrugada e amanhecer, com geada fraca e isolada nas áreas altas do Planalto Sul.

Temperatura da Superfície do Mar (TSM):

Nos meses de outubro e novembro de 2020 as águas no Pacífico Equatorial apresentaram ampla área de resfriamento com anomalia de -1,0°C e -2,0°C (Figuras 1 e 2), configurando o fenômeno La Niña. Nos próximos meses persiste a atuação da La Niña, com intensidade moderada a forte e pico máximo em janeiro.O fenômeno se estenderá até o primeiro semestre de 2021.

Figura 1 – Anomalia da TSM nos oceanos Atlântico e Pacífico, em outubro de 2020.
Figura 2 – Anomalia da TSM no Pacifico e Atlântico, em novembro de 2020.

Elaboração do boletim: Gilsânia Cruz e Marilene de Lima (Meteorologistas)